O Nordeste conquista Cannes

New

O Nordeste conquista Cannes

 Não deixa de ser irônico”, diz à ISTOÉ o diretor Kleber Mendonça Filho. Ele e o parceiro Juliano Dornelles, pernambucanos, arrebataram o prêmio do júri por “Bacurau” no Festival Internacional de Cinema de Cannes, que terminou em 18 de maio. Também o diretor cearense Karim Aïnouz levou o prêmio de melhor filme do segmento paralelo Um Certo Olhar, com “A vida invisível de Eurídice Gusmão”. São prêmios inéditos para o Brasil.

A ironia é que as vitórias se dão no momento em que as leis de incentivo à cultura no Brasil estão em xeque.“É também um triunfo nordestino”, afirma Aïnouz. “São filmes que receberam incentivo de Pernambuco e Ceará e mostram a qualidade de produções regionais subestimadas.”

Lutar ou morrer

Os três diretores definem seus filmes como de gênero: “Bacurau” segue o western e “Eurídice” é inspirado no dramalhão das telenovelas de Janete Clair.

Mas são, acima de tudo, políticos. Para Dornelles, enfrentam temas tabus: “A alegoria da invasão do Brasil por forças externas está em ‘Bacurau’. ‘Eurídice’ denuncia o patriarcado”. “Bacurau” retrata uma comunidade sertaneja ameaçada. Estreia
no Brasil em 29 de agosto.

“A comunidade escolhe entre lutar e morrer”, diz Kleber. “Eurídice” narra o conflito entre duas irmãs e a opressão machista. Deve estrear em novembro.

“Os cineastas brasileiros estão vencendo festivais, mas não encontram janelas de exibição no Brasil”, afirma Aïnouz. Eles esperam reconquistar o mercado por causa dos prêmios.

 

 

DRAMA Carol Duarte e Julia Stockler interpretam irmãs que enfrentam o patriarcado em “A vida invisível de Eurídice Gusmão”, melhor filme do segmento Um Certo Olhar (Crédito:Divulgação)

 

 

Fonte: Isto é on-line